Deixem o Pelé em Paz

pele_em_caxambu_01

Deixem o Pelé em Paz

Carlos Nascimento: “Deixem o Pelé em Paz senão perdemos a Copa aqui no Brasil, quando devemos ganhá-la na Inglaterra. Pelé está vivendo tal como um pássaro num viveiro, dentro de casa. Ele não tem liberdade nem para tomar sol pela manhã. Vive trancado no seu quarto, o que vem lhe causando certa irritação. Aqui tem aparecido políticos tentando usar da sua autoridade para falar com Pelé. Isto vem trazendo intranquilidade e falta de liberdade para Pelé e seus companheiros”.

pele_em_caxambu_02

O supervisor Carlos Nascimento  não vê com bons olhos o assédio a Pelé

O apêlo patético do Supervisor da Seleção devera calar fundo no coração de todos aqueles que respondem pelo sucesso dos nossos jogadores. E talvez seja logo posta em execução a recomendação deixada pelo Presidente João Havelange ao Vice-Presidente Silvio Pacheco, ao inaugurar o telex da Confederação Brasileira de Desportos , antes de partir para Roma. Instruiu Havelange, naquela oportunidade, ao seu substituto, que retirasse a delegação de Caxambu, se a Comissão Técnica entendesse que o ambiente não se mostrava propício, em virtude do assédio constante de que são alvo os jogadores, de parte da torcida, chegando a obstar o treinamento. Com Pelé acuado, não podendo sequer tomar sol, como frisou Carlos Nascimento, em suas declarações à reportagem de “O Cruzeiro”, é de se esperar a compreensão dos torcedores, naturalmente ávidos de falar com o Rei, ou a troca do local da concentração.

Nem tudo são percalços, no entanto, no caminho da Seleção para a grande campanha que se anuncia. Uma palavra de esperança, e de otimismo, nos foi dada pelo Dr. Aniello Montuori, clínico da Seleção, na apreciação do estado geral dos jogadores, que abaixo transcrevemos:
“O estado clinico dos atletas é considerado bom. Em termos comparativos com o de 62, melhorou bastante, o que vem provar a eficiência dos Departamentos Médicos dos clubes a que estão ligados. As reações sorológicas para sífilis foram negativas para todos os jogadores. Os índices de parasitose intestinal caiu muito (de 80% a 40%). Mais de 50% dos jogadores já estão sem as amígdalas. Os problemas ligados ao aparelho locomotor são pouquíssimos e estão sendo tratados pelo Dr. Hilton Gosling. Os que persistirem serão submetidos a uma revisão, através de uma junta médica especializada. A meu ver, é excelente o estado de saúde da Seleção. Todos os jogadores se apresentam em condições de integrar a seleção titular. É pena que não se possa usar todos eles, pois temos que levar apenas 22”.

Muito se tem debatido a respeito das funções do técnico de campo numa seleção. Para trazer uma luz ao debate, abordamos o homem que no Selecionada Brasileiro Exerce essas funções – o conhecido Paulo Amaral. Eis a resposta: “O técnico de campo é o profissional que tem a função de treinar tecnicamente os jogadores, isto é, ministrar todos os treinamentos em que entre a “bola de jogo”, nas diversas modalidades em que os jogadores defrontarão no decorrer das partidas. Também é o instrumento com que conta a Comissão técnica para fazer cumprir as determinações de ordem tática no decorrer dos treinamentos de conjunto”. O técnico Vicente Feola, por sua vez, nega que a Seleção já tenha uma tática rígida a seguir no Campeonato Mundial deste ano. Segundo fez ver ao repórter, a tática empregada varia de acordo com o adversário, não podendo, portanto, haver uma prescrição tática rigorosa. Sobre o desentendimento havido entre Ditão e Manga, Carlos Nascimento explicou a alguns jornalistas que tudo não passou de simples discussão, tanto assim que eles já se haviam visitado no hotel. A causa da discussão foram as brincadeiras de Manga com Ditão, quando a zaqueira-central rubro-negra bancava o goleiro.

A delegação tem recebido a visita de gente ilustre na concentração de Caxambu. Anotamos: Governador da Guanabara, Sr.Negrão de Lima, e Gavril Kathelin, técnico do selecionado soviético em 58 e 62. Também vários prefeitos de cidades interioranas estiveram em Caxambu para assistir aos treinos e se avistar com os jogadores. O Sr. Negrão de Lima torceu muito por Garrincha e aplaudiu um gol de Pelé.

Muito bom, o ambiente da concentração. Rildo é o “gozador” da turma, e o boa-praça que faz as vezes de “public-relations’. Outro relações-públicas é Dias, que recolhe os autógrafos dos companheiro para os fãs. Mais de cinqüenta mil autógrafos já foram dados em Caxambu, pelos jogadores.

Piada Mineira: CBD (iniciais da Confederação Brasileira de Desportos) quer dizer – comer, beber e dormir…

Uma assistência avaliada em número superior a trinta mil pessoas presenciou o último treino da Seleção, no Estádio Rangel Viotti.

O tabagismo não é acentuado na Seleção. Os fumantes são, na maioria, bastante moderados.

Dados biométricos: Dino – maior capacidade respiratória; Pelé – maior tempo de apnéia (maior fôlego); Pelé e Paulo Borges – os mais velozes. Nove dos quarenta e cinco convocados não tem meniscos.

Mario Trigo, sempre risonho, disse para Ditão que é no consultório dentário que ele gosta de ver homem valente.

Pelé quase todos os dias canta e acompanha ao violão alguns colegas de Seleção.

Além disso, os seus autógrafos são os mais disputados. Pelé é constantemente solicitado a autografar flâmulas, lenços, bolas de futebol etc.

Carlos Nascimento ficou bastante irritado com a presença de dirigentes do Flamengo e Fluminense e do presidente do Bangu, Sr. Eusébio de Andrade, que foram a Caxambu tratar dos contratos e das vendas dos jogadores Ditão, Denílson, Paulo Henrique, Paulo Borges e Fidélis. Também o zagueiro Bellini irritou-se com um jornalista de São Paulo que, numa nota, o chamou de “grosso”. Atribuiu o jogador essa critica à venalidade de certos jornalistas e certos dirigentes esportivos. Leslie Ketley, comentarista da BBC de Londres, assistiu aos treinos dos selecionados brasileiros realizados no sábado e domingo, declarando-se assombrado com a categoria do nosso futebol: “Os europeus estão esperando ver Pelé, pensando em Pelé, armando esquemas para neutralizar Pelé. Pelo que tenho visto, terão de recompor todos os planos. O futebol brasileiro não é só Pelé. Outros jogadores existem, tão perigosos quanto o Rei, precisando de esquemas especiais para conte-los. É o caso de Gerson, cujo futebol só agora observei e que é um craque na mais alta acepção d palavra”.

O treino realizado contra o Atlético Mineiro, no domingo, foi considerado bom pela Comissão Técnica. No primeiro tempo atuou o Selecionado Branco, que venceu por 2 tentos a 1; no segundo, o Grená, com o resultado de 2 a 0 a seu favor. Só dois jogadores participaram dos 90 minutos do treino: Orlando e Garrincha, ambos com melhor rendimento na fase complementar.

O jogador mais irregular no treino contra o Atlético foi Paraná: jogava bem e logo decaía: chegava a ser genial, para em seguida tornar-se péssimo. Servílio foi vaiado pela torcida de Caxambu. De todos os jogadores foi o que menos produziu. Pesa sobre o craque do Palmeiras a responsabilidade de ser o “companheiro de Pelé”.

Carlos Alberto e Brito parecem absolutos na posição. Também Zito e Gérson, sendo que o primeiro ainda um pouco pesado. A Seleção Branco atuou com Fábio; Murilo; Ditão, Orlando e Oldair; Dias e Fefeu; Garrincha, Alcindo, Silva e Rinaldo. A Grená, com Manga; Carlos Alberto, Brito, Orlando e Rildo; Sito e Gérson; Garrincha, Servílio, Pelé e Paraná.

A Seleção Grená é a base do Selecionado Brasileiro para a conquista do tri. A própria Comissão Técnica não desmente esta constatação dos observadores e cronistas esportivos. Não quer isto dizer que ela não venha a sofrer cortes. Os cortes virão. Um ou dois elementos, pelo menos, serão substituídos, tendo por objetivo o melhor entrosamento da equipe. Décio Teixeira, do Atlético, foi o marcador de Garrincha. Mesmo sem jogar o seu melhor futebol, Mané ofereceu bons momentos aos torcedores de Caxambu. A prova é que levou vantagem sobre Décio em quase todos os lances de que participou, chegando a reduzi-lo, em mais de uma oportunidade, à indesejável condição de João.

A vitória da Seleção Grená sobre o Atlético Mineiro foi resultado de firmeza da defesa, da valiosa contribuição de Zito e Gérson no meio de campo e do futebol insubstituível de Garrincha e Pelé.

Muito comentada, nos meios esportivos, a próxima viagem para a Europa (dia 19) do Professor Ernesto dos Santos, observador da Comissão Técnica da CBD, que é chamado “o craque da retaguarda”. Sua missão é assistir as exibições dos portugueses, búlgaros e húngaros, que serão, como é sabido, os primeiros adversários do Brasil. As observações do Professor Ernesto dos Santos, foram, em 58 e 62, de grande valia para o Selecionado Bicampeão.

O grande problema da Comissão Técnica, no momento, é encontrar o “companheiro de Pelé”. Quer dizer: o jogador ideal para atuar, como ponta-de-lança, ao lado do Rei. Sobre o assunto, o Professor Ernesto dos Santos falou à imprensa, em Caxambu, afirmando que todos os convocados para a posição serão testados. Quanto a Servílio, cuja atuação ao lado do Rei tem merecido críticas, o Professor comparou-o a Vavá, cujo entrosamento na posição foi demorado. O problema do “companheiro de Pelé” deve ter, na opinião dos observadores e cronistas esportivos, uma solução urgente. Deixa-lo para depois, para a última hora, é delinear o insucesso de um setor capital para a vitória do Brasil em Londres.

Carlos Froner, técnico da Seleção Gaúcha que atuara conta o Selecionado Grená, no Maracanã, no dia 1º de maio, anunciou que o seu quadro jogará com a mesma constituição com que participou da Taça O’Higgins, contra o Chile. Referindo-se a Alcino, afirmou: “Com ele no Chile teria vencido facilmente o segundo jogo em Viña del Mar”.

TOP