CAXAMBU: ESTÂNCIA DE CURA

caxambu-estancia-da-cura

Da revista “Fontes da Vida” ed. Julho de 1962
Dr. Lysandro C. Guimarães

A Cura Hidro-Termo-Climática, visa principalmente revitalizar o estado funcional do organismo para dominar ou atenuar a doença.
La cure ne s’adresse pas á la maladie mais aux forces de renovation du malade (M.Uzan).
Define-se a cura hidriática como tendo ação fisiológica sobre o individuo sadio e uma ação terapêutica sobre o doente.
Precisamos considerar as condições gerais de cada caso sabendo-se que as reações variam de indivíduo para indivíduo.
Esse sistema terapêutico milenar, nunca foi abandonado como tantos outros; continua e continuará impondo o seu valor através dos tempos.
A hidrologia é um ramo de ciência, que estuda as águas em geral, não minerais, potáveis e outras.
Afim de melhor disciplinar esses estudo os franceses criaram as palavras Crenologia, Crenoterapia, (fonte cura) para designar o estudo e tratamento pelas águas minerais naturais.
O chamado complexo hidro-mineral é uma suspensão eletrolítica em meio coloidal com característicos físico-químicos peculiares e dotado de elevado dinamismo que interessa toda a biologia celular agindo como uma força reativadora para o organismo em estado normal ou patológico.

INDICAÇÕES GERAIS

As águas mínero-medicinais de Caxambu são dotadas de alto poder diurético.
Tomando-as, junto às fontes tem condições de águas vivas segundo a expressão de Roger Glenard que denomina também de águas “mortas” as águas engarrafadas.
Após a ingestão são rapidamente absorvidas produzindo em pouco tempo uma abundante eliminação e consequentemente uma verdadeira lavagem do organismo.
Essa diurese não é somente aquosa mas também eliminadora da parte sólida com as escórias.
Por esse efeito ativam o intercambio das matérias azotadas e purínicas principalmente do ácido úrico.
A indicação crênica nas litíases, aceita e comprovada pela experiência clínica deve merecer a atenção dos médicos.
Embora com a notável evolução da técnica operatória que afastou das estâncias os “calculosos” que tem na terapêutica cirúrgica soluções radicais, ainda perdura a indicação crenoterapica para os casos das chamadas “areias renais” ou pequenos cálculos e cristais de fácil eliminação assim como nas mucosidades das vias urinárias.
Prestarão notáveis benefícios para o pré e pos operatório visto que o seu uso modifica e melhora as condições funcionais do paciente e poderá evitar a formação de novos cálculos.
Não havendo dúvidas que as curas favorecem a excreção úrica e escóricas, poderemos indicá-las aos artríticos e gotosos que assim teriam um ótimo auxiliar de tratamento com a ação complementar do repouso físico e mental tão necessário a esses enfermos.
A cura de “lavagem” obtida pela diurese desde logo atesta o efeito antitóxico das águas minerais cuja indicação para os intoxicados crônicos ocupa lugar de destaque.
Acreditamos mesmo que, nestes casos, a cura crenoterápica é insuperável quando realizada na Estância onde se pratica uma real desintoxicação física e mental.
O Fígado, órgão metabolizador por excelência, considerado como o grande laboratório do organismo tem nas águas minerais um precioso elemento de cura.
As insuficiências funcionais sem lesões orgânicas da célula hepática, constituem indicação básica das águas de Caxambu.
As numerosas funções do fígado são estimuladas pela ação dinâmica da cura hidro-mineral.
Resulta a indicação para os casos de intoxicados crônicos favorecidos pela cura de “lavagem” visto que o fígado tem aí papel preponderante.
As insuficiências funcionais (hepatismo), com os distúrbios que as acompanham, ou nos que seguem as infecções agudas tais como na convalescença da hepatite epidêmica, do tifo ou outras enfermidades infecciosas.
Nas hepatopatias tóxicas que do alcoolismo ou de outra natureza endógena ou exógena, as águas prestam inestimável cooperação para a cura, podendo ser consideradas no rol das melhores medicações hépato-protetoras.
Não menor é a influência sobre as perturbações das vias biliares porquanto fluidificam e facilitam o escoamento da bile como estimuladora da função biligênica.
Indicadas nas colicistites, angiocolites e colangites crônicas, as águas minerais favorecem ainda a eliminação de cálculos, especialmente aqueles resultantes de concreções biliares.
Fatos como estes não causam surpresas aos médicos das estâncias que constantemente os verificam em sua clínica. Não obstante não é recomendável premeditamente esperar a expulsão de cálculos que pelo seu volume possam por em risco um acidente agudo ou quando a intervenção cirúrgica se imponha. Outra indicação de grande valor é quanto ao tratamento de icterícias.
Não havendo obstrução mecânica, as curas são notórias obstendo-se as melhoras com bastante rapidez, desde que o clínico assegure ao doente um regime dietético correspondente ao estado do enfermo.
Como contra indicações alem dos citados teremos que lembrar as neoplasias malignas ou a tuberculose.

APARELHO DIGESTIVO

As águas de Caxambu tem uma ação direta sobre o estomago, quer estimulando suas secreções, quer ativando a motricidade.
Nessas circunstancias ativam e facilitam a digestão e a absorção dos alimentos.
São indicadas nas dispepsias e constituem bom recurso terapêutico da hiper e hipo-acidez gástrica.
Devemos explicar que não há incoerência nesta indicação porquanto há um critério individualístico da cura que deve ser regulado de acordo com a tolerância de cada caso.
Quando há hipo-acidez usaremos as águas mais ricas em gás carbônico e quando houver hiper-acidez procuraremos aproveitar batendo ou aquecendo para ensejar a libertação máxima do gás antes de usá-la.
Esta técnica é muito útil e proveitosa pois modifica o próprio P.H. da água para um índice alcalinidade compatível com o tratamento das dispepsias ácidas.
Também nas enfermidades intestinais podemos indicar a cura crenoterápica.
Assim é que nas colites há influência da cura dadas as relações existentes com o bom funcionamento do estômago, fígado e vias biliares, é de boas recomendações.
Convém observar que muitos aquistas se queixam de prisão de ventre, atribuindo às águas esse fenômeno apresentado nos primeiros dias de sua visita à estância quando esperavam efeito laxativo das mesmas.
Devemos explicar que nossas águas não são imediatamente laxativas mas sim corretivas indiretamente das funções orgânicas.
Quanto à prisão de ventre, corre mais por conta das modificação de hábitos, costumes e regime alimentar.
É uma ocorrência comum nos que viajam, saindo de suas ocupações habituais.
Este pequeno acidente durante a cura será facilmente corrigido com o uso de um laxante receitado pelo médico que orientar o tratamento.

OUTRAS INDICAÇÕES

As águas são ainda de real utilidade no tratamento das perturbações do metabolismo órgãos hematopoéticos distúrbios do sistema nervoso e endócrino.
Nesses casos exercem uma ação adjuvante valiosa, visto que a sua influencia sobre as funções hepáticas, renais e digestiva proporcionam uma ação de cura indireta para a melhoria de todos os órgãos ou sistemas cujas perturbações estão geralmente associadas a um funcionamento defeituoso do fígado ou aparelho digestivo.
Não se pode esquecer a contribuição das águas ferruginosas de Caxambu.
As Fontes Conde d’Eu e D.Izabel, contém bicarbonato de ferro em dose que permitem classifica-las de ferruginosas. O ferro dessas águas minerais é melhor absorvido por serem elas carbo-gasosas.
Resulta disso uma influência na constituição da hemoglobina robustecendo os glóbulos vermelhos.
São indicadas nas anemias, insuficiências ovarianas, linfatismo ou distúrbios cuja terapêutica ferruginosa seja exigida.
Outra importante indicação é aquela referente às afecções cardio-vasculares estudadas em outro artigo também publicado nesta revista.

TOP